MPF recomenda que Tamisa obtenha autorização para retirada de vegetação de Mata Atlântica na Serra do Curral

Segundo Ministério Público Federal (MPF), empreendimento prevê a supressão de 101 hectares de Mata Atlântica. Área do projeto da Tamisa abrange região da Serra do Curral
Reprodução/TV Globo
O Ministério Público Federal (MPF) emitiu uma recomendação à Taquaril Mineração S.A. (Tamisa) para que obtenha autorização junto ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) antes de fazer a retirada de vegetação de Mata Atlântica na Serra do Curral.
Por que minerar Serra do Curral em BH seria como explorar Pão de Açúcar no Rio?
Serra do Curral: conselho ambiental aprova exploração por mineradora em cartão postal da Grande BH
Chico, Caetano, Milton, Gil e outros artistas se mobilizam contra mineração na Serra do Curral
Diante de questionamentos na Justiça e da mobilização de ambientalistas, movimentos sociais, artistas e moradores da região, a mineradora conseguiu licenciamento para iniciar a implantação do Complexo Minerário Serra do Taquaril.
Segundo o MPF, o empreendimento prevê a supressão de 41,27 hectares de vegetação no bioma de Mata Atlântica apenas na primeira fase do projeto e de outros 58,46 hectares na segunda fase, totalizando 101,24 hectares de supressão vegetal.
Serra do Curral pode ser explorada por mineradora; entenda
“O MPF destaca que o empreendimento encontra-se localizado em região dotada de especial valor biológico, em mosaico de Unidades de Conservação, dentro da APA Sul da Região Metropolitana de Belo Horizonte, na zona de amortecimento do Parque Estadual da Baleia e do Parque Estadual Serra do Rola-Moça, e no entorno de diversos parques municipais, que são considerados como áreas verdes pela própria legislação urbanística”, afirmou o órgão em nota.
O procurador da República Carlos Bruno Ferreira da Silva defende que é necessário que haja a correta caracterização técnica da vegetação existente no local para “se evitar a ocorrência de inestimáveis danos ambientais irreversíveis ou de difícil reparação na Serra do Curral”.
A Tamisa e o Ibama não haviam se manifestado sobre a recomendação até a última atualização desta reportagem.
Vídeos mais vistos do g1 Minas:

Liked Liked