Operação investiga exploração sexual infantojuvenil no RS

Desde 2 de maio, 33 pessoas foram presas e uma vítima de exploração sexual foi resgatada. Entre os casos, estão o de adolescente forçada a fazer programas pela própria mãe e o de armazenamento, produção e compartilhamento de pornografia infantojuvenil na internet. Suspeita de aliciar a filha presa em Porto Alegre
Polícia Civil/Divulgação
Forças de segurança desencadearam, na noite desta quinta-feira (12), uma operação de combate à exploração sexual infantojuvenil em Porto Alegre. A ação faz parte de uma iniciativa nacional coordenada pelo Ministério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP).
Na Capital, agentes realizaram abordagens em nove pontos, verificando denúncias de exploração em bares e estabelecimentos, conforme a delegada Eliana Parahyba Lopes, da 1ª Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente. Além disso, foram feitas atividades em cidades do interior do estado.
Desde 2 de maio, foram cumpridos mandados de prisão e de busca e apreensão. Ao todo, 33 pessoas foram presas e uma vítima de exploração sexual foi resgatada.
As ações ocorrem em alusão ao Maio Amarelo, mês dedicado ao alerta da sociedade sobre o combate à exploração sexual infantojuvenil. Participam dos trabalhos servidores policiais do estado e da União, além de servidores do Ministério Público e do Poder Judiciário
Operação fiscalizou bares em Porto Alegre
Juliano Castro/RBS TV
Casos
Uma das prisões ocorreu na terça (10), em Porto Alegre. Uma mulher de 35 anos foi presa pela suspeita de exploração sexual infantojuvenil e fornecimento de drogas à própria filha, uma adolescente de 14 anos.
A jovem seria obrigada pela mãe a fazer programas e a usar drogas entre fevereiro e março deste ano. A suspeita era foragida do sistema prisional e já havia respondido inquérito por fato semelhante.
Na quarta-feira (11), a Polícia Civil, com apoio da Brigada Militar e do Instituto-Geral de Perícias, cumpriu sete mandados de busca e apreensão na Capital e um em Gravataí. Os alvos foram suspeitos de armazenamento, produção e compartilhamento de pornografia infantojuvenil na internet.
Três suspeitos foram presos em flagrante. Foram apreendidos equipamentos utilizados pelos indivíduos, como computadores, notebooks, tablets, smartphones e dispositivos de armazenamento digital.
Em um dos locais, foram apreendidos mais de 1,5 mil vídeos e arquivos de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Em outros dois locais, os agentes localizaram material pornográfico infantojuventil. Contudo, o suspeito não se encontrava no local no momento das buscas, impossibilitando a autuação em flagrante.
Local onde seriam armazenados materiais de pornografia infantojuvenil em Gravataí
Grégori Bertó/SSP
VÍDEOS: Tudo sobre o RS

Liked Liked