Tebet no g1 – trecho: ‘Zero’, diz sobre nota que dá para atuação de Augusto Aras depois da CPI

Nesta segunda-feira (20), senadora foi entrevistada na série com pré-candidatos a presidente comandada por Renata Lo Prete, apresentadora do podcast ‘O Assunto’. Programa foi transmitido ao vivo direto do estúdio do g1, em São Paulo, e pelo Globoplay. Simone Tebet (MDB) responde a pergunta sobre ação da PGR depois da CPI da Covid
Presidenciável do MDB, Simone Tebet deu nota zero para a atuação do procurador-geral da República, Augusto Aras, com o relatório enviados pelos senadores responsáveis pela CPI da Covid, que investigou possíveis crimes cometidos na gestão do governo federal no combate à pandemia.
“Nota de zero a dez? Não da Procuradoria, mas do procurador: zero. Foi uma das razões porque eu não o reconduzi. Eu não votei no Augusto Aras, ele sabe disso. Fiz a indelicadeza até de não recebê-lo nem em meu gabinete e lamento muito por uma instituição tão séria quanto o Ministério Público”, disse Tebet.
A senadora deu a declaração nesta segunda-feira (20), na segunda da série de entrevistas com pré-candidatos a presidente comandada por Renata Lo Prete, apresentadora do podcast “O Assunto” (leia mais ao final desta reportagem). A conversa foi transmitida ao vivo direto do estúdio do g1, em São Paulo, e no Globoplay.
Em seu relatório final, o grupo responsável pela CPI da Covid solicitou ao MP 80 indiciamentos, dentre eles o de Jair Bolsonaro (PL) por nove crimes. No último dia 10, Augusto Aras solicitou que o Supremo arquive apuração da CPI sobre Ricardo Barros, deputado federal líder do governo na Câmara.
Para a senadora, a atuação de um PGR deve ser independente e sua escolha, feita pelo presidente da República, seguir a lista tríplice apresentada pela Associação Nacional dos Procuradores. Em setembro de 2019, Bolsonaro escolheu Aras fora dos nomes apresentados pela entidade.
“Uma das razões porque acho que a escolha do Procurador-Geral tem que estar na lista [tríplice] e o presidente da República tem tantos poderes, ele não precisa tirar alguém da cartola que não esteja na lista”, afirmou Tebet.
Para ela, o órgão deve ter um líder com “condições de representar bem e honrar o papel de órgão de fiscalização, controle, de investigação que é o do Ministério Público”.
‘O Assunto’ nas eleições
O primeiro programa da série do podcast “O Assunto” com pré-candidatos à Presidência da República foi Ciro Gomes (PDT), em 13 de junho. O próximo entrevistado será André Janones (Avante), em 11 de julho, novamente às 15h.
Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) também foram convidados, mas não confirmaram presença até 3 de junho, prazo estipulado em reunião de 31 de maio com representantes dos partidos na qual foram informadas regras e datas para a realização da série.
Com duração prevista de uma hora e meia, todas as entrevistas ficarão disponíveis na íntegra, em vídeo e em áudio (como episódio especial do podcast). Durante o programa, os pré-candidatos também responderão a perguntas do público (envie a sua pergunta pelas redes sociais com a hashtag #oassunto).
O g1 convidou os cinco primeiros colocados na pesquisa Datafolha divulgada em 26 de maio.

Liked Liked