Três cidades do Alto Tietê possuem legislação para instalação de antenas 5G

O sinal 5G começa a funcionar a partir desta quinta-feira (4) na capital. Municípios do Alto Tietê devem receber a tecnologia até 31 de julho de 2026, prazo final para cidades com mais de 200 mil habitantes. Sinal de 5G começa a funcionar nesta quinta-feira em São Paulo
No Alto Tietê, três cidades já possuem legislação que permite a instalação de antenas 5G, segundo levantamento feito pela produção do Diário TV. São elas: Ferraz de Vasconcelos, Mogi das Cruzes e Suzano. Santa Isabel ainda não tem projeto, enquanto Itaquaquecetuba está em fase de estudos. Arujá, Biritiba Mirim, Guararema e Salesópolis não responderam aos questionamentos.
Santa Isabel ainda não possui projeto para a instalação das antenas até o momento. Em Itaquaquecetuba o projeto está em fase de estudo.
Suzano já aprovou e, segundo a prefeitura, uma empresa já demonstrou interesse em instalar antenas. Em Mogi das Cruzes, já existe uma lei municipal, mas ainda não há demanda de nenhuma empresa.
Como o 5G requer mais antenas do que a tecnologia 4G, para instalação de novas, as cidades precisam ter lei autorizando e explicando como será realizada. Para que o sinal do 5G comece a operar, há uma série de fatores, como o interesse das operadoras em telefonia e também a questão legal, se a cidade tem legislação municipal aprovada e adaptada para esta tecnologia.
Prazo para início da operação
O sinal 5G começa a funcionar a partir desta quinta-feira (4) na capital e será a quinta-feira (3) de estado do país a iniciar a operação da tecnologia. Capitais e Distrito Federal tendo uma estação rádio base a cada 100 mil habitantes tiveram o prazo de 31 de julho. Mas houve atraso neste cronograma e a Anatel prorrogou a data em 60 dias. O calendário segue basicamente ano a ano.
Seguindo o cronograma que faz parte da licitação do 5G no país, o Alto Tietê deve receber a tecnologia até 31 de julho de 2026, prazo final para cidades com mais de 200 mil habitantes.
O que muda com o 5G?
Carlos Nazareth Motta Marins, diretor do Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), explica quais as mudanças e novidades que o sinal 5G traz para os usuários de dispositivos móveis.
“Uma das coisas que vai possibilitar o usuário ter velocidades muito mais altas é justamente a operação do 5G. E a partir daí, existe a possibilidade de ter acesso com velocidades mais elevadas. Se existe no smartphone alguma ‘setagem’ de aplicativos que permitem baixar dados de forma automática, esta é uma preocupação que o novo usuário tem que ter, porque a velocidade com que isso irá acontecer se dará em taxas muito mais elevadas, 10, 20, até 30 vezes maiores e, consequentemente, o consumo de dados será mais rápido. Mas em contrapartida, traz a possibilidade de acessar dados com velocidade maior e ter acesso a diferentes tipos de aplicativos sendo atendido de forma muito mais rápida”.
“Todo smartphone tem a possibilidade de ter uma ‘setagem’ automática ou ter uma ‘setagem’ fixa e consequentemente escolhendo a tecnologia que você queira operar. Isso se aplica no momento não só que você quer manter no 4G para não ter o susto de perder tudo aquilo que você pagou para ter acesso de dados, mas também serve para o contrário. Estando em São Paulo e querendo fazer acesso mais rápido a conteúdos que estão à disposição não só através dos aplicativos mas também através dos sites. O usuário pode migrar para o 5G e, consequentemente, ter uma internet muito mais veloz”.
“Hoje, as coberturas de 4G, através das Estações de Rádio Base ocupam uma área maior. Com o 5G, essas áreas vão ser reduzidas, ficam por volta de 300, 400 metros. Mas a gente, até mesmo na etapa de testes, o Inatel participa de testes junto com a Anatel e junto com a EAF, que faz a limpeza espectral, e consequentemente a gente percebeu que, embora a cobertura seja em São Paulo, regiões, por exemplo, de Osasco vão ser atendidas em função da Estação Rádio Base transcender a área geográfica das cidades. Isso pode acontecer também para as regiões onde a TV Diário tem todos os seus telespectadores fazendo uso da tecnologia de comunicação móvel. Não existe a possibilidade de conter esse espaço”.
O diretor da Inatel também afirma a nova tecnologia irá oferecer benefícios para setores da indústria e para toda a sociedade.
“A grande revolução vai estar no aumento de aplicativos, aplicativos cada vez mais sofisticados, no que diz respeito ao uso. E também há presença do 5G em diferentes verticais da economia. A indústria vai ser beneficiada, as fábricas vão ser usuárias intensas da tecnologia 5G para melhorar os seus processos e aumentar os processos de controle e automação. Então, consequentemente o trânsito vai ficar melhor atendido com o 5G, as fábricas, os usuários de forma geral e a sociedade como um todo”.
Assista a mais notícias sobre o Alto Tietê

Liked Liked