Lei que muda o nome da primeira ferrovia estadual é sancionada em MT

A partir de agora, a ferrovia passa a se chamar Senador Vicente Emílio Vuolo, em homenagem ao parlamentar que lutou pela chegada dos trilhos no estado. Governador sancionou a lei que muda o nome da ferrovia estadual
Secom/MT
A lei que muda o nome da primeira ferrovia estadual de Mato Grosso, batizada inicialmente de Olacyr de Moraes, sancionada pelo governador Mauro Mendes (DEM) nessa terça-feira (23). A partir de agora, a ferrovia passa a se chamar Senador Vicente Emílio Vuolo, em homenagem ao parlamentar que lutou pela chegada dos trilhos no estado.
Mauro Mendes disse que o novo nome foi proposto pela empresa que ganhou a concessão do trecho, no entanto, quando o projeto de mudança foi aprovado pelos deputados, em outubro deste ano, ele chegou a defender o nome de Olacyr para a ferrovia.
Filho do senador, o ex-secretário de Agricultura, Trabalho e Desenvolvimento Econômico de Cuiabá, Francisco Antônio Vuolo, também foi um dos articuladores do movimento para manutenção do nome de seu pai na ferrovia.
A família do senador Vicente Vuolo encampou a luta pela mudança do nome, depois que viu os primeiros trilhos estaduais receberem o nome de Olacyr de Moraes, em homenagem ao ‘ex-rei da soja’ de Mato Grosso.
O deputado Wilson Santos (PSDB) é o autor do texto que batiza de Senador Vicente Vuolo.
Projeto prevê a implantação de trilhos e terminais que vão interligar os municípios de Rondonópolis a Cuiabá, além de Rondonópolis com Nova Mutum e Lucas do Rio Verde
Secom-MT
A ferrovia
A ferrovia vai interligar os municípios de Rondonópolis a Cuiabá, além de Rondonópolis com Nova Mutum e Lucas do Rio Verde, conectando-se à malha ferroviária nacional, em direção ao Porto de Santos (SP). De acordo com o projeto, serão implantados 730 quilômetros de linha férrea no estado.
O projeto prevê investimento de R$ 11,2 bilhões para a implantação da ferrovia estadual, com início de obras em 2022.
Também está previsto o início da operação do trecho entre Rondonópolis e Cuiabá no ano de 2025, enquanto a operação no trecho Cuiabá a Lucas do Rio Verde deverá começar em 2028.
Estudos realizados pela Rumo Logística indicam que mais de 230 mil empregos serão gerados durante os anos de construção da ferrovia.

Liked Liked